Publicidade

Vitinho e Ribamar viraram protagonistas na semana poor conta da série de gols perdidos. Os dois foram responsabilizados pelas eliminações de Flamengo e Vasco, respectivamente, na Copoa Libertadores e na Copa Sul-Americana. As chances desperdiçadas por eles poderiam ter mudado o rumo do jogo. Mas eles não estão sozinhos na lista de jogadores que irritaram as torcidas. O MQJ Memória de hoje relembra alguns desses nomes.

Ribamar decepcionou contra o Defensa (Foto: Getty)

O Flamengo, por exemplo, teve alguns jogadores assim recentemente. Quem não se lembra de Alex Muralha, que falhou em uma série de gols do time em 2017. O jogador foi responsabilizado, por exemplo, pela perda da Copa do Brasil diante do Cruzeiro.

Leia também:

Publicidade

MQJ Memória: Ézio, porque super-herói é pra isso
MQJ Memória: Assis, o carrasco do Flamengo

Mas Muralha não foi no único jogador que foi tomado por vilão. O MQJ Memória relembra jogadores que irritaram a torcida:

Leo Valencia

Léo Valencia irritou os botafoguenses (Foto: Vitor Silva/Botafogo)

Contratado como solução pelo Botafogo em 2017, Leonardo Valencia ficou dois anos no clube. Mas sempre se esperava que ele fosse engrenar. O desespero rendeu a ele o apelido de “Léo Falência”, dado pela torcida.

Publicidade

Leia também:

MQJ Memória: Mazolinha, o craque que virou pedreiro
MQJ Memória: Berg, o Anjo Louro do Botafogo

Alex Muralha

Muralha não tem mais espaço no Flamengo, após seguidas falhas (Foto: Gilvan de Souza - Flamengo) Muralha foi alvo da torcida do Flamengo (Foto: Gilvan de Souza – Flamengo)

Após não agarrar nenhum pênalti e pular sempre para o lado direito nas cobranças do Cruzeiro, Alex Muralha foi responsabilizado pela perda do título da Copa do Brasil de 2017. Mas mesmo assim o técnico Reinaldo Rueda insistiu que ele entrasse em campo para enfrentar o Santos pouco depois pelo Brasileirão. Alex Muralha atuou muito pressionado. O goleiro do Flamengo errou em dois lances cruciais e o Peixe ganhou por 2 a 1. Após outros erros o jornal “Extra” publicou em sua manchete um texto explicando que não chamaria mais o jogador de Muralha. Jornalistas do veículo chegaram a ser proibidos de entrar no clube. Mas estava ali decretado o fim da Era Muralha.

Publicidade

Leia também:

MQJ Memória: Dener, o mais parecido com Pelé
Filho de peixe, relembre pais e filhos do futebol

Valdir Papel

Renato se irritou com Valdir Papel (Foto: Reprodução TV CBF)

O atacante Valdir Papel era sempre alvo de críticas da torcida. Mas o auge da revolta veio após ser expulso de forma infantil na final da Copa do Brasil de 2006 diante do Flamengo. Ele chegou a ser empurrado pelo técnico Renato Gaúcho na saída de campo. Além disso foi humilhado publicamente pelo presidente Eurico Miranda em uma entrevista.

Publicidade

Leia também:

MQJ Memória: Artilheiro no Flamengo e goleiro no Palmeiras
MQJ Memória: Botafogo perdeu Clei, o lateral que morreu por engano

Deivid

Deivid perdeu alguns gols feitos (Foto: Premiere)

O Flamengo, porém, também viu um jogador seu muito pressionado errar. E foi muito antes das falhas de Alex Muralha. Em 2010 o atacante Deivid vinha sendo muito cobrado por sua falta de pontaria. Em um clássico contra o Vasco, pelo Campeonato Carioca, ele protagonizou um lance bizarro. Após boa jogadada do ataque flamenguista a bola passou pelo goleiro vascaíno e sobrou livre para o atacante rolar para o gol. Mas ele conseguiu desperdiçar o lance, virando meme.

Publicidade

Leia também:

MQJ Memória: Geraldo, o craque do Flamengo marcado por uma fatalidade
MQJ Memória: Margarida, o árbitro mais alegre da história do futebol

Fábio Braz

Fábio Braz irritou os vascaínos (Foto: Vipcomm)

Contratado em 2005 pelo Vasco, o zagueiro Fábio Braz virou símbolo da má campanha do time naquele Brasileirão. O jogador tinha seu nome gritado em cada falha. Além disso os torcedores chegaram a ir a treinos com o objetivo de xingá-lo.

Publicidade

Leia também:

MQJ Memória: O adeus a Clébson! O substituto de Jorginho
MQJ Memória: Daniel González, o uruguaio que fez história no Vasco e no Corinthians

Márcio Teodoro

Márcio Teodoro errou contra o Flamengo (Reprodução TV Bandeirantes) Márcio Teodoro errou contra o Flamengo (Reprodução TV Bandeirantes)

O Flamengo já se beneficiou de uma falha de um jogador pressionado. Foi na final da Taça Guanabara de 1995. Márcio Teodoro era um zagueiro que não tinha a confiança da torcida do Botafogo. Naquela decisão, o Flamengo, se aproveitando da expulsão de Túlio Maravilha, abriu 2 a 0, mas permitiu a virada botafoguense. No fim do jogo, porém, ao recuar uma bola com a cabeça, Teodoro deu um passe para Romário decidir o caneco em favor do Urubu.

Max

Max morreu muito jovem (Foto: Divulgação)

Publicidade

O goleiro Max, que morreu em 2017 vítima de uma doença auto-imune, também foi muito perseguido na década passada pela torcida do Botafogo. Quis o destino que ele entrasse na vaga do expulso Julio Cesar no primeiro jogo da final do Campeonato Carioca de 2007, também diante do Flamengo. Já na segunda partida o Alvinegro ganhava por 2 a 1 quando o goleiro “aceitou” um chute de fora da área de Renato Augusto. A final foi para os pênaltis, mas Max não agarrou nenhuma cobrança e Urubu foi campeão. Além disso cometeu muitos erros. Assim virou alvo da torcida.

Leia também:

MQJ Memória: Zé Carlos, o Grandão do gol do Flamengo
MQJ Memória: Campeão mundial pelo Flamengo, Figueiredo morreu no auge da carreira 

Márcio Araújo

Torcida grita após Rueda chamar Márcio Araújo (Foto: Reprodução TV)

Publicidade

O Flamengo vencia por 1 a 0 o rival Fluminense na partida válida pelas quartas de final da Copa do Brasil 2017. Aos 32 minutos do segundo tempo, o técnico Reinaldo Rueda resolveu lançar o volante Márcio Araújo no lugar de Everton. Assim que o jogador tirou o colete, um torcedor viu a cena e se desesperou, levando as mãos à cabeça de fazendo gestor para que o treinador desistisse da ideia. Márcio Araújo entrou e nada aconteceu. No jogo seguinte, o Flamengo garantiu a vaga na sequência.

Carlinhos Itaberá

Itaberá irritava a torcida. Assim virou folclore (Foto: Youtube)

O lateral-direito Carlinhos Itaberá entrou para o folclore do Fluminense. O jogador errava tanto cruzamento que a torcida passou a gritar seu nome quando queria protestar pelos maus resultados. Uma forma irônica de criticar um jogador que será sempre lembrado pelo lado pitoresco.

Leia também:

MQJ Memória: Polêmica no Carioca faz o futebol relembrar Eduardo Viana, o Caixa D´água
MQJ Memória: Vivinho, o gol de placa de São Januário
Nomes de animais, MQJ Memória relembra craques bichos
MQJ Memória: Carlinhos Violino, o interino acostumado a dar voltas olímpicas
MQJ Memória: Cláudio Coutinho montou o inesquecível Flamengo