Publicidade

Na montanha-russa da bola, Michael está no topo e vive os melhores dias com a camisa do Flamengo. Ele completou 100 jogos pelo clube carioca, em mais uma tarde em que brilhou. O atacante fez dois gols e deu uma assistência na goleada rubro-negra sobre o São Paulo, neste domingo, no Morumbi, pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Michael, agora, é o artilheiro do Campeonato Brasileiro, com 13 gols. É o retrato perfeito de como a maré mudou. Ou, se preferir, de como a montanha-russa agora leva o atacante ao céu.

Michael Flamengo Michael está voando! Foto: Alexandre Vidal / Flamengo / Divulgação

– Estou muito feliz. Completar 100 jogos com esta camisa não é fácil. Estou feliz pela vitória, pelos gols. Nem nos meus melhores sonhos eu imaginei que poderia chegar a 100 jogos e hoje estar com 13 gols no Brasileiro. Deus foi muito maior que imaginava para a minha vida. Então é agradecer ao clube, ao torcedor, à minha família, que sempre me apoiou nos momentos difíceis que tive. Todo mundo tem momento difícil, mas é batalhar, trabalhar, dedicar e não baixar a cabeça, porque o jogo muda. A carreira da gente é como uma montanha-russa. Você vai estar em cima, vai estar embaixo. Quando estou em cima eu não sou melhor do que ninguém, mas quando estou embaixo eu não sou pior do que ninguém. Eu apenas dou o meu melhor, da maneira como consigo – declarou Michael.

A boa fase de Michael pelo Flamengo

Publicidade

O atacante e o Flamengo reencontraram Rogério Ceni, comandante do São Paulo e que foi demitido do clube carioca em julho. Por sinal, Ceni tem participação nesta retomada de Michael. Com Ceni, Michael começou a dar a resposta no Rubro-Negro. Com Renato Gaúcho, “explodiu”.

LEIA MAIS! Gabigol: ‘Eu nasci para jogar no Flamengo’

Evidentemente que o maior mérito é de Michael. Após uma temporada em que conviveu com muitas críticas e problema de adaptação, Michael abriu mão de parte das férias e retornou mais cedo. O esforço deu resultado.

Publicidade

Michael tem brilhado com frequência com a camisa do Flamengo. A prova de que a montanha-russa da bola nem sempre tem momentos de baixa.

Comentários