Publicidade

O caso de racismo envolvendo Gerson ganhou mais um capítulo nesta terça-feira. O jogador foi a Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (DECRADI) prestar depoimento sobre o episódio.

Gérson deu declaração para outros denunciarem casos de racismo (Foto: Divulgação)

Gerson deu uma declaração após sair da delegacia. O meia destacou que vai seguir com o processo para dar coragem a outros que sofram do mesmo preconceito.

– Estou aqui na delegacia, vim falar sobre o ocorrido. Quero deixar bem claro que não vim só para falar por mim. Vim para falar por minha filha, que é negra, meus sobrinhos, que são negros. Meu pai, minha mãe, amigos também, e por todos os negros do mundo sobre o fato que aconteceu. Hoje, graças a Deus, eu tenho um estado de jogador de futebol, onde eu tenho voz ativa para poder falar e dar força para que outras pessoas que sofrem racismo ou outros tipos de preconceito possam falar também – disse.

Publicidade

O jogador rubro-negro foi a Delegacia ao lado do vice-presidente jurídico do Flamengo, Rodrigo Dunshee. O dirigente afirmou que o clube irá apoiar o atleta e espera que a justiça seja feita.

– O Flamengo está aqui, junto do Gerson, como está sempre junto de todos atletas, para apoiar nesse momento. O Gerson cumpriu seu papel de cidadão, apresentou a representação e agora a questão está entregue à Justiça. A gente espera que a justiça seja feita – declarou.

Leia também:

Publicidade

Flamengo sem Gabigol e Fortaleza sem Ceni: quem perde mais?

Delegacia vai chamar outros envolvidos além de Gerson

Nos próximos dias, a Delegacia deverá receber os outros envolvidos no caso. O meia Índio Ramírez, do Bahia, além do técnico Mano Menezes e o árbitro Flávio Rodrigues.