Publicidade

Dia 12 de julho, Renato Gaúcho era apresentado pelo Flamengo. Na ocasião, ele ressaltou o sonho que se realizava por poder comandar o clube. Dia 29 de novembro, uma despedida melancólica. O técnico deixou o Fla depois de pouco mais de quatro meses. O sonho se transformou em uma grande frustração.

– Dois ou três anos atrás falei que era meu sonho treinar o Flamengo, pela grandeza. É uma satisfação. Todo treinador sonha um dia treinar o Flamengo e estou realizando esse sonho – declarou Renato, na apresentação.

Renato Gaúcho Flamengo Renato não conseguiu ser campeão pelo Flamengo | Foto: Alexandre Vidal / Flamengo / Divulgação

O começo foi mesmo um sonho. Renato venceu os seis primeiros jogos, com quatro goleadas seguidas. A primeira derrota – o 4 a 0 imposto pelo Internacional, no Maracanã -, não abalou a confiança. A resposta foi com nova sequência de invencibilidade, de oito jogos, sendo sete vitórias. Naquele momento, o técnico garantiu vaga para semifinal da Copa do Brasil e da Libertadores.

Relacionadas

Maurício Souza Flamengo

Publicidade

No fim de setembro, o Flamengo passou pelo Barcelona de Guayaquil e avançou à final da Libertadores. Renato, então, vivia o auge pelo Flamengo, mas o bom momento não durou muito mais. Em meados de outubro, a crise.

A derrocada de Renato pelo Flamengo

O Flamengo passou a oscilar e se complicou no Brasileiro. Para piorar a situação, no dia 27 de outubro, o Athletico-PR fez 3 a 0 no Maracanã e eliminou o Fla da Copa do Brasil. Renato chegou a colocar o cargo à disposição, mas a diretoria não aceitou.

Renato Renato Gaúcho na chegada ao Flamengo (Foto: Alexandre Vidal/ Flamengo)

Com a missão complicada no Brasileiro, o foco era a final da Libertadores. O clube carioca adotou uma programação especial, rodando o time e buscando recuperar os jogadores lesionados/desgastados. Parecia que funcionaria. Entretanto, virou mais uma decepção.

Publicidade

MAIS! Como está a situação contratual do elenco do Flamengo

No sábado, o Flamengo caiu na prorrogação para o Palmeiras na final da Libertadores. Ali, o destino de Renato já estava traçado de que não seria mais no Fla. O clube, então, decidiu pela ruptura imediata. A passagem de Renato Gaúcho terminou oficialmente nesta segunda-feira. E com um “castigo”.

Renato ‘paga pela língua’ no Flamengo

Na época de Grêmio, em que foi eliminado pelo Flamengo na Libertadores após cair por 5 a 0 no Maracanã, Renato chamou atenção pela “língua afiada”. Na ocasião, ele declarou que, com investimento de R$ 200 milhões, o clube carioca tinha obrigação de ganhar.

Publicidade

MAIS! Elenco do Flamengo amarga a maior decepção de uma era vitoriosa

O “castigo” não demorou a chegar. Renato foi confrontado por esta declaração algumas vezes nesta trajetória de Flamengo. Até mesmo na apresentação, quando “adaptou” o discurso.

Renato viu discurso se voltar contra si (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)

– Se você gastar R$ 100 por mês num clube, você vai ser cobrado. Se gastar R$ 100 milhões, vai ser cobrado. Acho que todo torcedor quer ver o time campeão. Claro que quando você gasta muito e qualifica seu grupo, você tem mais chances. O PSG, quanto ele gastou? E não foram campeões. No Flamengo, as chances de conquistar são maiores, sem dúvidas. Palmeiras, Atlético, Flamengo gastaram muito e, por isso, chegam toda hora – disse, em julho.

Publicidade

Na coletiva após a derrota na final da Libertadores, o tema novamente foi abordado. Renato mostrou irritação.

– Na época o Flamengo disputava as duas competições (Brasileiro e Libertadores) e não tinha ninguém no departamento médico. Em três, quatro meses, o Flamengo disputou três competições, era final a cada três dias. Vai ver quantos minutos, acredito que poucos, que a equipe principal jogou junta. Oito minutos? Está dada a resposta – declarou.

Renato, assim, viu o sonho se transformar em frustração. Foram 37 jogos à frente do Flamengo, com 24 vitórias, oito empates e cinco derrotas. Se “quem tudo quer, nada tem”, frase usada pelo técnico após derrota no Fla-Flu, Renato deixa o Fla sem nada de títulos.

Comentários