Publicidade

Diego chegou a uma marca expressiva com a camisa do Flamengo. No empate com o Fortaleza, no sábado, pelo Brasileiro, ele completou 200 jogos pelo clube. De 2016 até aqui, o meia teve uma trajetória intensa, de altos e baixos, e de glória.

Diego Fortaleza x Flamengo Diego chegou à marca de 200 jogos pelo Flamengo | Foto: Alexandre Vidal / Flamengo / Divulgação

De julho de 2016, quando desembarcou nos braços da torcida, até o último jogo de 2020, Diego tem vivido intensamente a experiência de defender o Flamengo. Ele se tornou um líder do elenco, enfrentou os momentos ruins de cabeça erguida e viveu o apogeu em Lima, na conquista da Libertadores.

LEIA MAIS! Flamengo não joga a toalha e traça plano na briga pelo título brasileiro

Publicidade

Em 200 jogos, soma 119 vitórias, 51 empates e 30 derrotas. Diego marcou 41 gols e conquistou uma Libertadores, um Brasileiro, uma Recopa Sul-Americana, uma Supercopa do Brasil e três Cariocas.

Veja dez momentos marcantes de Diego no Flamengo

‘AeroFla’ para receber Diego

Diego chegou ao Flamengo, depois de deixar o Fenerbahce, da Turquia, nos braços do povo. A Nação lotou o aeroporto para recepcionar o meia, em 2016. O “AeroFla” deu a dimensão da expectativa pelo meia com a camisa do clube.

Diego 'AeroFla' Diego chegou nos braços da torcida | Foto: Reprodução Internet

A estreia e o primeiro gol

Em agosto de 2016, Diego fez seu primeiro jogo pelo Flamengo. O palco foi o Mané Garrincha, em Brasília. O Rubro-Negro venceu o Grêmio por 2 a 1. De cara, o meia balançou a rede.

Diego estreia pelo Flamengo Diego estreou com gol | Foto: Gilvan de Souza / Flamengo / Divulgação

Diego e a camisa 10 do Flamengo

Publicidade

Na Libertadores de 2017, Diego foi inscrito com a camisa 10 do Fla. Ele iniciou a trajetória rubro-negra com a 35. Depois, o meia assumiu de vez o histórico número no clube.

Diego Com a camisa 10, Diego brilhou na estreia na Libertadores de 2017 | Foto: Flamengo / Divulgação

Lesão na Libertadores

Diego viveu um duro golpe na Libertadores de 2017. Ele se machucou na vitória sobre o Athletico-PR, no Maracanã, pela fase de grupos. O meia já havia balançado a rede no jogo, quando recebeu uma entrada e teve entorse no joelho direito. Diego precisou passar por cirurgia e ficou fora da sequência do torneio.

Lesão Libertadores 2017 Diego precisou operar | Foto: Gilvan de Souza / Flamengo / Divulgação

O primeiro título de Diego pelo Flamengo

Em 2017, Diego conquistou o primeiro título na trajetória pelo Fla: o Campeonato Carioca. Ele, porém, perdeu boa parte do torneio em função da lesão no joelho direito.

Título Carioca 2017 O primeiro título de Diego no Flamengo | Foto: Gilvan de Souza / Flamengo / Divulgação

Decepção na Copa do Brasil

Publicidade

O Flamengo foi vice-campeão da Copa do Brasil de 2017. O clube carioca perdeu a final para o Cruzeiro nos pênaltis, no Mineirão. Diego desperdiçou a cobrança. A partir dali, o craque passou a conviver com críticas.

Final Copa do Brasil 2017 Diego na final da Copa do Brasil de 2017 | Foto: Gilvan de Souza / Flamengo / Divulgação

Tumulto no aeroporto

Em 2018, Diego viveu o pior momento na trajetória pelo Fla. No embarque para Fortaleza, em abril, ele foi hostilizado no Aeroporto Galeão e cercado por torcedores de forma agressiva.

tumulto aeroporto Diego viveu momento tenso em 2018 | Foto: Reprodução Esporte Interativo

Resposta com gol

Após o episódio, Diego entrou em campo contra o Ceará, pelo Brasileiro, e balançou a rede. Na comemoração, atravessou o gramado e foi para arquibancada saudar os torcedores. Foi um sinal de que o amor pelo clube falaria mais alto.

Ceará x Flamengo Diego foi comemorar com a torcida | Foto: Staff Images / Flamengo / Divulgação

O drama de Diego e do Flamengo no Equador

Publicidade

Em 2019, Diego sofreu a pior contusão da carreira. No jogo de ida das oitavas de final contra o Emelec, no Equador, em julho, ele sofreu um carrinho e fraturou o tornozelo esquerdo. A previsão era de que só voltaria a atuar em 2020, mas…

Lesão Emelec A contusão de Diego contra o Emelec | Foto: Alexandre Vidal / Flamengo / Divulgação

A glória em Lima

Diego desafiou os prognósticos e trabalhou como nunca para voltar a jogar ainda em 2019. A recuperação surpreendeu. Dois meses depois da contusão, ele voltou a atuar, na goleada sobre o Grêmio, pela semifinal da Libertadores. E o camisa 10 foi decisivo na final, em Lima. Diego participou do lance do primeiro gol, na recuperação da bola, e fez o lançamento para Gabriel Barbosa virar o jogo e garantir o título. Foi o ponto máximo e a recompensa por todo esforço e amor pelo clube.

Diego Diego exibe orgulhosamente a Libertadores | Foto: Reprodução Internet