Publicidade

Os 19 clubes da Série A que decidiram por só aceitar público nos estádios quando todos puderem tê-lo deve ter uma baixa. Autor de pedido semelhante ao do Flamengo ao STJD, o Atlético-MG não vai assinar o pedido ao Tribunal para caçar a liminar do Rubro-Negro.

Assim como o Flamengo, o clube mineiro também obteve liminar no STJD e pode atuar com público em locais onde as autoridades permitirem. Então, por coerência, a diretoria do Galo decidiu que não iria participar de um processo contrário.

Flamengo não está sozinho na questão do público nos estádios (Foto: Alexandre Vidal/ Flamengo)

Em sua conta no Twitter, o Atlético-MG postou:

Publicidade

“Sobre a nota referente à reunião entre os participantes da Série A e CBF, o Atlético informa que 18 clubes serão signatários do pedido que será feito ao STJD, para tentar reverter a liminar obtida pelo Flamengo, referente à presença de público nos jogos válidos pelo Brasileirão.”

Leia Também:

Diego abre as portas do Flamengo para David Luiz

Grêmio, Furacão… Gabigol pode desfalcar o Flamengo por seis jogos

Publicidade

Entretanto, o Galo reafirmou que vai respeitar o acordo entre os clubes em nome do fair play esportivo. Mas, em entrevista divulgada pelo jornal o Dia, o presidente Sérgio Coelho afirmou que o Atlético vai usar a liminar se o Flamengo jogar com público.

– O Flamengo conseguiu a liminar para ter jogos, junto ao STJD. Imediatamente, nós também conseguimos. Não faremos uso da liminar se o Flamengo não fizer o uso também. Se o Flamengo jogar, deixei claro na reunião, o Atlético vai usar o mesmo direito – disse o dirigente.

Relacionadas

Maracanã tem novo gestor rival do Flamengo
Flamengo está na final da Libertadores

A polêmica sobre a suposta falta de isonomia em caso de alguns clubes atuarem com torcida e outros não continua quente. Nesta quinta-feira, mais um dirigente do Flamengo rebateu as acusações contra o clube.

Publicidade

“Sem público para todos! Isonomia de conveniência. Acredite, se quiser. Quando um clube tem desfalques por convocações para seleções, não defendem a paralisação das competições porque levam vantagem ao enfrentar um adversário com desfalques. Aonde mesmo fica a tal da isonomia?” postou o VP de relações externas, Luiz Eduardo Baptista, o Bap.

Comentários