Publicidade

Zé Carlos disputou a semifinal contra a Holanda em 1998 (Arquivo CBF) Zé Carlos disputou a semifinal contra a Holanda em 1998 (Arquivo CBF)

Você lembra deste jogador na Copa com a camisa da Seleção Brasileira? Esta pergunta aparece quando um atleta citado pouco foi utilizado ou sequer entrou em campo no Mundial. Porém, a história registra a sua presença no maior torneio de futebol do planeta.

Nomes como Bismarck, Ronaldão e Josué se encaixam neste perfil. O MQJ relembra alguns desses atletas:

Publicidade

Edivaldo: Venceu a ‘peneira’ de Telê

Telê Santana convocou mais de trinta jogadores para a Copa do Mundo de 1986, mas avisou que teria que cortar alguns antes da viagem ao México. Nomes como o lateral Leandro e o atacante Renato Gaúcho foram cortados por indisciplina. Outros, como Marinho, ponta-direita do Bangu, foram preteridos por escolha do treinador.

Quem venceu esta peneira fdoi Edivaldo, um ponta-esquerda que atuava no Atlético-MG. Ele porém não entrou em campo uma única vez.

Publicidade

Edivaldo morreu em 1993, ao se envolver em um acidente de carro em São Paulo.

Leia mais:

Quatro vezes de Ángel Romero polêmico em clássicos paulistas
Qual a maior vítima de Messi? Veja quem já sofreu com o craque argentino
Lateral-artilheiro, Pikachu vira arma e iguala melhor marca de gols pelo Vasco
Cristiano Ronaldo pronto para decidir e com melhor média da carreira
Manchester City pode quebrar sete recordes da Premier League
Corinthians e Premiere revoltam rivais com bandeirão
Mais um craque na Copa do Mundo? Ibrahimovic deixa a possibilidade no ar

Publicidade

Bismarck: A promessa que não vingou na Seleção

Sebastião Lazaroni chegou para comandar a Seleção Brasileira por conta de suas boas campanhas no futebol do Rio de Janeiro. Talvez, por conta disso, prestava muita atenção nos talentos do futebol carioca. Naquele fim dos anos 80 o Vasco formou uma talentosa geração, que inclusive ganharia o título nacional em 1989. Bismarck era um dos meias de destaque do Cruz-Maltino.

Suas boas atuações despertaram a atenção de Lazaroni, que o levou para a Copa de 1990 na Itália. A imprensa paulista protestou, reclamando que aquela vaga deveria pertencer a Neto, então vivendo grande momento no Corinthians.

Publicidade

Bismarck sequer foi notado e não foi utilizado em nenhum jogo. A Seleção cairia nas oitavas de final em um torneio onde o plantel brasileiro se envolveu em diversas polêmicas e pouco se preocupou em jogar futebol.

Ronaldão: O reserva do reserva

Ronaldão não foi utilizado por Parreira (Reprodução Youtube) Ronaldão não foi utilizado por Parreira (Reprodução Youtube)

Quem olhava para o banco de reservas da Seleção na Copa de 1994 via num zagueiro negro alto e que poderia meter medo em qualquer zagueiro pelo físico privilegiado. Só que ele não entrou uma única vez em campo. Era Ronaldão, a grande surpresa na lista de convocados de Carlos Alberto Parreira.

Publicidade

Ronaldão, inclusive, fez jus ao posto de última opção do treinador. Isso porque Ricardo Rocha se machucou durante o Mundial e Márcio Santos acabou sendo o substituto, formando uma zaga que entrou para a história com Aldair.

Zé Carlos: O lateral da semifinal

O lateral-direito Zé Carlos foi convocado por Zagallo para a vaga de Flávio Conceição, que se machucou pouco antes do Mundial da França começar. O jogador vinha se destacando pelo São Paulo, porém, não era lembrado pela comissão técnica, o que gerou grande surpresa.

Publicidade

Como Cafu era titular absoluto da lateral, mesmo enfrentando a desconfiança da torcida, ninguém notou muito Zé Carlos.

Quis o destino que Cafu ficasse suspenso nas semifinais contra a Holanda. Zé Carlos foi a campo e diante da Laranja Mecânica teve atuação apagada, embora não tenha comprometido. Depois do Mundial nunca mais foi convocado.

Doriva: O volante que fez figuração

Doriva entrou em campo apenas contra Marrocos (Arquivo CBF) Doriva entrou em campo apenas contra Marrocos (Arquivo CBF)

Publicidade

Zagallo convocou outro jogador para a Copa do Mundo de 1998 que também traz poucas lembranças. Trata-se do volante Doriva, revelado pelo São Paulo nas mãos de Telê Santana.

O jogador, de estilo de forte marcação, tido como um legítimo primeiro homem de meio-de-campo, não foi quase notado durante o Mundial. Entrou em apenas um jogo, no segundo tempo da vitória de 3 a 0 sobre Marrocos na segunda rodada da fase de grupos.

Cris: Influência de Galvão?

Publicidade

O zagueiro Cris defendia o Lyon da França e foi uma novidade na lista de convocados de 2006. A surpresa ficou por conta da ausência de Roque Júnior, campeão quatro anos antes sob o comando de Luiz Felipe Scolari.

Ausente da lista, Roque Júnior acusou o narrador Galvão Bueno da Rede Globo de interferir na convocação o deixando de fora por não ter gostado de sua atuação na Copa das Confederações, um ano antes. O jornalista e o técnico Carlos Alberto Parreira negaram o fato.

Cris, porém, nem foi notado no Mundial. A zaga titular foi Lúcio e Juan.

Volantes surpreenderam em listas

Mineiro: Lembrado na última hora

Outro zagueiro convocado por Carlos Alberto Parreira, Edmilson, também campeão em 2002, foi Edmilson. Porém, ele se lesionou pouco antes do Mundial e acabou sendo cortado. Um baque para o elenco.

O substituto, convocado às pressas, foi Mineiro, volante do São Paulo. A escolha se deveu ao fato de que, aquela àltura, Edmilsopn já atuava no meio. O último a chegar, Mineiro também não foi muito percebido no Mundial.

Josué: Apenas alguns minutos em campo

Doriva entrou em campo apenas contra Marrocos (Arquivo CBF) Josué ficou poucos minutos em campo em 2010 (Arquivo CBF)

O Brasil estava classificado para as oitavas de final da Copa do Mundo de 2010, quando, aos 44 minutos do segundo tempo do empate sem gols com Portugal, o volante Josué entrou em campo. Permaneceu pouco tempo e quase não tocou na bola.

Apenas naquele jogo que os torcedores se lembraram que Josué integrava a lista de convocados de Dunga. O volante, que ganhou fama no São Paulo, naquele período já defendia as cores do Wolfsburg da Alemanha.