Publicidade

O Botafogo se prepara para enfrentar o Operário, nesta quinta-feira, em Ponta Grossa. O volante Kayque não viajou com o elenco e relatou que sofreu injúria racial de policiais no Rio de Janeiro.

Kayque afirmou que estava com um amigo e foi parado por policiais. Na abordagem, os agentes teriam feito diversas perguntas e insinuado que ambos seriam traficantes.

Kayque tem contrato até o fim da temporada (Foto: Vitor Silva/ Botafogo)

– Passando aqui para falar de um assunto chatão. Vocês sabem que eu não gosto de falar em rede social, vivo minha vida do jeito que tenho que viver, mas não está dando do jeito que está. Fomos parados novamente, os policiais fizeram inúmeras perguntas tendenciosas, insinuando, em outras palavras, que éramos bandidos, traficantes, usuários de drogas. Você não pode ser preto e estar em um carro maneiro, você não pode ser preto e estar em um lugar maneiro, não pode ser preto e estar com uma meta (dinheiro) no bolso, entre outras coisas… Estou passando aqui pra mostrar minha indignação porque a gente rala pra caramba pra conquistar tudo que temos hoje, pra dar coisa boa pra nossa família – disse em suas redes sociais.

Publicidade

Kayque decidiu expor a situação e se mostrou indignado pela forma como foi abordado.

– Fui parado e tratado como bandido. O amigo que tá aqui comigo foi tratado como bandido também por morar na favela. Eles pensam o que? A gente é trabalhador, acorda cedo, vai atrás, não cai nada céu não. Estou vindo aqui porque vocês também tem que expor a indignação de vocês. Como acontece comigo o tempo todo deve acontecer com outras pessoas também – declarou.

Relacionadas

O volante tem contrato com o Botafogo até o fim da temporada. Kayque pertence ao Nova Iguaçu, mas tem recebido algumas chances com a camisa alvinegra.

Comentários